Independência?

Ontem, comemoramos em Moçambique a independência do colonizador Portugal. Tal e qual se deu, também ontem, no Brasil. Mas até que ponto Moçambique está de fato independente? De Portugal, talvez, mas encontrou em seu caminho, colonizadores ainda mais carrascos do que o anterior, como o FMI (Fundo Monetário Internacional).

Já tratei aqui, dia desses, sobre o quanto é bom para o Brasil não ser mais subjugado por esse organismo internacional. E no jornal O País de ontem, na mesma capa que falava sobre os 36 anos do acordo que garantiu a independência do país, estava o título “Agravamento de preços deve-se a compromissos do Governo com FMI“.

Nos primeiros dias desse mês de setembro, vivemos cenas de violência e conturbação em Moçambique, devido a uma greve-protesto contra o aumento dos preços de serviços e bens essenciais, como energia elétrica, combustível e pão. O economista chefe do departamento de África da Economist Intelligence Unit, Edward George, revelou em entrevista à agência Lusa, reproduzida no jornal O País, que o aumento dos preços se deve a uma promessa feita há três anos para o FMI. O governo moçambicano teria garantido ao fundo que iria “introduzir um sistema de mudança dos preços de combustível automaticamente”.

O especialista analisou: “Para os mais pobres é muito difícil, porque a família mais pobre em Moçambique gasta entre 30, 40 e 50% do seu dinheiro no transporte, então um aumento de 10 ou 15% no preço do petróleo é muito complicado, daí os protestos serem tão fortes em Maputo”.

Edward George revelou ainda que a idéia do governo era tentar compensar as famílias mais pobres com a introdução de algum programa como o “Fome Zero” do Brasil, que garanta subsídios diretos. No entanto, um programa como esse exige que se tenha cadastro das pessoas e um controle que depende de investimentos em tecnologia ainda não existente na área administrativa do governo.

Ao fim dos eventos comemorativos, o governo reuniu-se para depois anunciar um pacote de medidas, que incluiu o recuo nas decisões de aumento e congelamento dos salários e subsídios dos ministros e diretores de empresas estatais. Veja mais detalhes do anúncio na matéria que Eduardo Castro fez para a agência Brasil.

Penso que só quando conseguirmos nos livrar do FMI, Banco Mundial e outras grandes estruturas internacionais, como já se deu no Brasil, aí sim, estaremos livres de fato aqui em Moçambique.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: