Mulheres Africanas no Brasil

Já falei aqui que voltar a Moçambique é muito bom; fácil como voltar para casa. Mas, desta vez, não fui a Moçambique, o país é que veio até mim e trouxe todo o continente com ele. Tive o prazer de ir à pré-estréia do filme Mulheres Africanas – a rede invisível, da Cinevideo Produções.

Foi uma sensação muito boa, ao ver as primeiras cenas, identificar Moçambique. Perceber que aquela mulher, aquela casa, aqueles gestos, aquele céu… só podiam estar em Moçambique. Era o que um dia já foi a minha casa e, no fundo, sempre será.

O filme (em cartaz de 8 de março a 8 de abril de 2013 no Circuito Itaú de Cinema em Brasília, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro) é um documentário que apresenta a trajetória de mulheres africanas.

São retratadas grandes líderes locais, reconhecidas mundialmente por sua atuação em diversas áreas, e também mulheres comuns, que, assim como as demais, fazem toda a diferença no rumo que tomam suas famílias, seus países, seu continente.

O documentário é guiado por entrevistas com Graça Machel – esposa de Nelson Mandela e ativista moçambicana -, Leymah Gbowee – recebeu o Nobel da Paz em 2012 por sua luta pela libertação da Libéria da tirania e conquista da democracia -, Sara Masasi – empresária mulçumana da Tanzânia de grande destaque no mundo de negócios por sua criatividade e ousadia na gestão -, Nadine Gordimer – sul-africana e prêmio Nobel de Literatura em 1991 – e Luisa Diogo – atual deputada de Moçambique e ex-primeira ministra do país.

Elas são apresentadas como a base norteadora da organização política, econômica, comunitária e cultural africana. E quem já viveu por lá sabe o quanto, de fato, as mulheres têm papel de protagonismo nas grandes decisões daquelas nações.

Mulheres Africanas é um documentário sem ousadias artísticas, com entrevistas estáticas e até um pouco formais, dentro de um roteiro quadradinho, que se desenvolve conforme passa pelos diversos países, como a própria Cinevideo já fez em trabalhos anteriores. Mas a falta de criatividade é compensada pela maravilha de vermos a África retratada no cinema, em importantes cidades brasileiras. Além disso, o filme foge totalmente do clichê de mostrar a África da fome, pobreza, desnutrição e Aids (Sida).

Para quem não tem a oportunidade de atravessar o Oceano Atlântico e ver de perto o cotidiano da mulher africana, é imperdível. Mesmo que o continente africano não esteja entre seus interesses prioritários, considere a possibilidade. Afinal, o documentário é, antes de tudo sobre mulheres, sobre valores e sobre sociedade.

Ficha Técnica:
Diretor: Carlos Nascimbeni
Produção: Mônica Monteiro
Roteiro: Carlos Nascimbeni
Gênero: Documentário
Duração: 80 minutos

Cinema em Moçambique

Fomos ao cinema em Maputo pela primeira vez. Já tínhamos assistido a alguns filmes aqui, durante o Dockanema, mas, por coincidência, nenhum tinha sido em sala de cinema propriamente. Agora, fomos assistir ao filme O último voo do flamingo.

O destaque ficou para a sala Xenon (na avenida Julius Nyerere, 776). Enoooorme. Sala do tipo que não existe mais no Brasil há umas duas décadas, pelo menos. Com direito a lugares no balcão e tudo mais. Cabem ali umas 400 pessoas, seguramente. Compramos pipoca e, ao som de uma tenebrosa campainha, que mais parecia coisa de filme de terror anos 50, entramos na gigantesca sala. Apagam-se as luzes, uma propagandazinha e, pronto, começa o filme. Eduardo comentou: não tem trailer. Pois é…

No meio do filme… INTERVALO. Gente, fantástico! Eu nunca tinha ido em cinema com intervalo. O amigo Pedro, que estava conosco, disse que em Portugal havia isso até algum tempo atrás, mas já faz muitos anos que não há. Pausa de sete minutos para repor a pipoca, fumar, ir ao banheiro ou ficar lá mesmo, a apreciar os trailers!

Adorei. Soubemos depois que sempre é assim aqui e que todas as salas são grandes como essa.

cartaz do filme O último voo do flamingoO filme? Bem, o filme é baseado no livro de mesmo nome, do escritor Mia Couto. Uma ficção sobre os tempos pós guerra, em que soldados da ONU (Organização das Nações Unidas), os conhecidos capacetes azuis, estiveram em Moçambique na missão de manutenção de paz. O romance narra estranhos acontecimentos de uma pequena vila imaginária, Tizangara.

A direção foi do moçambicano João Ribeiro, formado em cinema em Cuba e em Moçambique e que, com esta obra, faz sua estréia no longa-metragem. A adaptação do texto foi feita por Gonçalo Galvão Teles. Entre os atores, a brasileira Adriana Alves, além de Alberto Magassela, Carlo D’Ursi, Cláudia Semedo e Elliot Alex.

Não li a obra original, mas fiquei com a impressão de ser daqueles casos em que o livro é melhor que o filme. Louvo a intenção da produção, mas Mia Couto é mesmo muito literário… há frases no filme, que percebemos terem sido transportadas literalmente do livro, onde devem fazer efeitos incríveis, mas que no cinema ficam perdidas. Além disso, os atores não ajudam lá muita coisa. Os melhores são Cláudia Semedo e Elliot Alex, mas não conseguem salvar o filme. Mas a história é muito boa, então, podes conhecê-la sorvendo do maravilhoso texto de Mia Couto. Por outro lado, o filme vale pelas imagens de Moçambique. Foi filmado aqui pertinho de Maputo, em Marracuene.

Mapa de Marracuene

Quanto vale:
– entrada de cinema: MT 120,00 (R$ 5,60)
– pipoca: MT 45,00 (R$ 2,10)
– refrigerante 600 ml: MT 45,00 (R$ 2,10)
– livro O último voo do Flamingo: R$ 29,90 pelo Submarino.

Observação: os horários das sessões no Xenon são 15h, 18h e 21h.

%d blogueiros gostam disto: