Um pouco de música, para aplacar a saudade

Nos tempos que vivi em Moçambique, conheci Tânia Tomé. Uma poetisa musical que brilha apresentando boa música, com boa voz, muita simpatia e, depois vim a saber ainda ao conhecê-la melhor, de grande inteligência. Sem dúvida é a minha queridinha entre as cantoras de Moçambique, pelo conjunto da obra.

Ultimamente, tenho assistido à novela Windeck pela TV Brasil. A primeira novela angolana transmitida no Brasil. A cultura africana, o jeito diferente mas tão parecido de falar português, as referências às novelas brasileiras, a nostalgia do tempo que vivi em Moçambique – uma outra África, mas também África -, tudo isso faz com que eu tenha virado uma noveleira de primeira. Coisa que nunca fui.

E lá, no meio da novela, entre uma cena e outra, uma voz preenche meu coração saudoso de África: Pérola, de quem já falei aqui no Mosanblog. Não sei se pelas circunstâncias, pela música escolhida para a novela, pela atitude que hoje parece mais madura do que quatro anos atrás, mas ela ganhou muitos pontos comigo nos últimos meses e tende a ser a minha queridinha em Angola. Um pouco porque o tom de voz lembra Tânia Tomé, confesso.

E não sou só eu que acho que a moça é boa. Recentemente, ela ganhou o troféu Moda Luanda, na categoria Música, com o álbum Mais de Mim, que tem uma faixa que ela canta com a brasileira Ivete Sangalo. Pérola também já ganhou o prêmio Kora, em 2005, na categoria de Melhor Artista da África Austral.

Na novela, ela canta duas músicas: Fala do que quiseres e Sentada familiar. Esta última, inclusive, foi citada pela Lúcia Agapito nos comentários do primeiro post aqui no Mosanblog sobre a cantora.

E como hoje é quinta-feira… por que não transformá-la numa Quinta Quente? Vamos ouvir uma das músicas que Pérola canta na novela e a que mais me toca ao me aproximar de África e de Tânia Tomé – Fala do que quiseres:

Para conhecer mais, visite o site da cantora aqui.

Anúncios

Uma pérola da música angolana

Ela nasceu Jandira Sassingui, mas transformou-se em Pérola. Estreou no mercado musical agolano em 2004 e logo no primeiro ano ganhou dois prêmios: Revelação Feminina, da Rádio Luanda, e Melhor Intérprete Feminina, do Prêmio Moda, de Luanda. No ano seguinte, venceu na categoria de melhor voz feminina da África Austral, do prêmio de música africana Kora2005. Foi a primeira angolana a conquistar o Kora.

O sucesso veio rápido, mas a música já estava em sua vida há muito tempo. O pai fez parte do um grupo musical em Huambo — cidade onde Pérola nasceu —, o Estrelas do Sul, e a mãe cantou na igreja. Nessa época, ela ouvia cantores de diferentes estilos: Celine Dion, Fáfá de Belém, Whitney Houston e Mariah Carey são alguns que ela cita.

O primeiro álbum recebeu o título Os meus sentimentos e foi lançado em 2004. O segundo álbum, Cara e coroa, é de 2010. Nos dois, a artista interpreta os ritmos kizomba, soul, zouk, R&B e semba. Nesses ritmos Pérola canta o amor entre as pessoas e o cotidiano dos angolanos. Em entrevista para o site sobre celebridades de Angola, o Angofama.com, ela fala da contribuição que pretende dar ao momento de reconstrução do seu país: “divulgar mensagens de amor, de esperança, de incentivo, a mudança de atitudes impróprias, de combate a preconceitos e a tabus na sociedade. Tento fazê-lo de uma forma simples, com mensagens que todos compreendam e que de uma forma ou de outra se identifiquem. Esse é o meu singelo contributo”.

Escolhi para ouvir aqui Omboio. Não encontrei a letra, menos ainda a tradução. Em alguns comentários no Youtube, percebi que Omboio significa Comboio (como se chama o trem, por aqui) e que na música ela fala bastante da cultura tradicional angolana. No refrão, diz para se apressarem pois o trem está a partir. Parece ainda que ela canta em Umbundo, língua da região onde nasceu.

Mas mesmo sem a letra, o vídeo é bonito de ver e gostoso de ouvir. Especialmente, pela forma como Pérola canta. Do jeito lindo como ela se apresenta, os desavisados podem até achar que é fácil abrir a boca e as palavras saírem assim tão naturalmente sincronizadas e afinadas e ainda com o corpo balançando no mesmo ritmo.

Viste o site da artista, clicando aqui.

Voz e carisma

Ela tem já mais de 25 anos de carreira, mas apenas os cinco últimos foram solo e, mais do que isso, só estes foram longe das asas protetoras da família. Yola Semedo começou a cantar aos seis anos de idade, no grupo Impactus 4, composto por seus irmãos. Em 2006 lançou o primeiro CD solo, que batizou Yola Semedo, assim não ficou dúvida sobre a emancipação.

Então, apresentou uma seleção musical com mistura de zouk, pop e soul R&B. Até então, com a banda Impactus 4, as músicas eram quase todas no estilo kizomba.

Em 2010, Yola conquistou o Top dos Mais Queridos, uma realização da Rádio Nacional de Angola, com o tema “Injusta”, que tem música de Matias Damasio. Antes, ainda com a banda Impactus 4 tinha conquistado o prêmio Voz de Ouro da África, em 1995, em representação de Angola no festival organizado pela Unesco, na Bulgária. E foi considerada melhor voz feminina de Angola por três vezes: 2000, 2006 e 2007. Ganhou ainda os prêmios de Balada do ano (2006) e Diva do ano em 2007 e 2008.

Hoje, Yola Semedo é uma das principais vozes femininas de Angola. Tem voz firme, segura, com personalidade de quem nasceu com o dom e o soube trabalhá-lo. Sem contar com o carisma da gaja, ó pá! Para mim, há ainda um detalhe que chama atenção: o sotaque quase brasileiro em alguns momentos.

Vamos ouvir o tema com o qual ela conquistou o Top dos Mais Queridos: Injusta.

A pior decisão da minha vida foi dizer-te adeus
E jogar p’ra o alto todos os meus sonhos
Tudo o que era meu e teu
A pior decisão da minha vida foi dizer-te adeus
E jogar p’ra o alto todos os meus sonhos
Tudo o que era meu e teu
Como fui injusta contigo, amor
Tu pediste um minuto p’ra falar
Quem me dera ter ouvido a tua explicação
Hum, hum… Hoje eu sei da verdade
Mas tenho medo que seja tarde
Porque agora já não estás aqui
Hoje eu sei da verdade, que nós nascemos um p’ra o outro
E que entre nós só existia amor

Te procuro nos outdoors
Nas esquinas congestionadas
Te procuro no álcool, e eu não te encontro
Já pus anúncio na tv, no jornal e na rádio
E mesmo assim eu não te encontro… Humm
Hoje eu sei da verdade
Mas tenho medo que seja tarde
Porque agora já não estás aqui
Hoje eu sei da verdade, que nós nascemos um p’ra o outro
E que entre nós só existia amooor

(Don’t say goodbye)
Se eu pedir perdão
Se eu te der um beijoooo
Ahhhh ahhhhh

Fui injusta contigo amor
Tu pediste um minuto p’ra falar
Quem me dera ter ouvido a tua explicação
Hoje eu sei da verdade
Mas tenho medo que seja tarde
Porque agora já não estás aqui
(don’t say goodbye)
Se eu pedir perdão
Se eu te der um beijooooo
Ohh Ohh

Se eu te der um beijo
Meu amor (don’t say goodbye)
Aiii ai ai ai aaaaiii
Ao teu lado é meu lugar (don’t say goodbye)
Aiii ai ai ai aaaaiii
Por ti eu vivo amor

Veja no site Nexus matéria sobre o lançamento do primeiro CD solo de Yola Semedo e mais sobre a vida da cantora no site AngoNotícias.

%d blogueiros gostam disto: