E eu reclamava da livraria Cultura…

Há algumas situações que, de tão ridículas, chegam a ser engraçadas. Aqui em Moçambique as pessoas são muito desconfiadas das outras. Especialmente, os patrões de seus empregados. Para os patrões, todo empregado desvia materiais de suas empresas. Mas os comerciantes também acham que todo cliente está interessado em levar mercadoria sem pagar.

Isso faz com que, por exemplo, nos supermercados, em cada gôndola haja um funcionário que fica em pé apenas olhando os clientes fazerem compras. Eles ficam fiscalizando se não vai nada no bolso ou na bolsa do cliente.

Acredito que gastem mais em pessoas para ficarem olhando os outros do que se houvesse aqui e ali um desvio. Mas, pelo menos, estão gerando emprego. Um emprego bastante desconfortável, eu penso, mas que dá sustento à família de forma honesta e isso é importante.

Só que chega uma hora que você se sente sufocado. Toda vez que vai a um mercado menor tem um funcionário que “gentilmente” carrega sua sacola de compras e anda feito sombra com você no interior da loja. Na verdade, está a controlar que nada será desviado. Nos mercados maiores há os fiscais de gôndola, que ficam nos corredores entre duas gôndolas, a observar todo mundo, como já falei. Para completar, quando terminamos a compra, pagamos no caixa e, na saída, temos que mostrar a nota para um segurança que fica na porta, apenas para verificar se você levou só o que está na lista. Ele olha aquele carrinho com mais de dez sacolas, com duzentos itens, e decide, em três segundos, se está tudo certo. Então, ele faz um rasgo pequeno na nota e você pode sair.

O rasgo pequeno, para quem não percebeu, é para não ter perigo de você ser muito esperto e entrar de na loja de novo, encher o carrinho com os mesmos itens e tentar sair sem passar pelo caixa, apresentando a mesma nota.

O engraçado dessa situação no final da compra é que, às vezes, ou não explicam muito bem qual a função do guarda na contratação ou ele, sendo um honesto inveterado, não resiste a fazer a verificação também em favor do cliente: “aqui na nota a sra. pagou duas latas de óleo, só vejo uma”. Toca o cliente a remexer nas sacolinhas e achar a outra lata de óleo.

Outra coisa que acontece é ser barrado quando você carrega uma bolsa grande, dessas tipo saco mesmo. Ao entrar na loja tem que deixar no guarda-volumes. Mas eu sempre acredito que quem desconfia demais dos outros é porque, quando tem chance, faz coisa errada, desvia dinheiro, furta. Porque se você é genuinamente honesto, nem pensa que naquela circunstância alguém poderia fazer algo errado. Então, como eu vou deixar minha bolsa no guarda-volume de um lugar que tem toda essa desconfiança de seus clientes?

guarda na porta do HorizonFaz alguns dias eu fui entrar no supermercado Horizon com uma dessas bolsas e o guarda pediu para deixá-la no guarda-volumes na frente da loja. Eu disse que não deixaria, porque era bolsa, não era sacola e havia minha carteira lá, meus pertences. Ele argumentou que eu poderia pegar a carteira, mas tinha que deixar a bolsa. No entanto, eu pensei rapidamente em tudo que estava na bolsa: máquina fotográfica, celular, nécessaire, óculos de sol, óculos de grau, chaves, etc. etc. etc. Tudo era importante para mim e eu não deixaria nas mãos de uma pessoa tão desconfiada. Afinal, se ele desconfia que eu faça é porque ele faria. Ou eu ia ficar andando na loja com tudo isso nas mãos? Não entrei na loja, não fiz a compra.

Então, eu lembrei que deixei de comprar na livraria Cultura do Casa Park, em Brasília, porque lá havia um sujeito pago para ficar na porta, do lado de fora da loja, a olhar para quem saía, analisando se tinha cara de “ter feito a loja”. Aquela presença me incomodava tanto que eu preferia não entrar na loja, mesmo tendo muita coisa de meu interesse lá. Se eu ficar incomodada a esse ponto agora, não vou poder comprar mais nada, porque aqui, a regra é acharem que você entra sempre pensando em furtar.

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://mosanblog.wordpress.com/2010/12/04/e-eu-reclamava-da-livraria-cultura%e2%80%a6/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Coincidentemente um amigo meu me mandou esta frase do Pascal hoje:”É perigoso mostrar ao homem como é semelhante aos animais, sem lhe mostrar simultaneamente a sua própria grandeza. Mais perigoso é mostrar-lhe a sua grandeza sem a sua baixeza. E ainda mais perigoso é deixa-lo na ignorância de uma e de outra.”

    Eu diria que, na verdade, não é preciso mostrar ao homem a sua grandeza. Ele já é exageradamente egocêntrico para esquecer. Já o resto…

  2. Concordo quando no relato você diz que pelo menos estão dando emprego para as pessoas. Mas será que um sistema de câmeras não ficaria mais barato? Afinal estamos entrando no ano 2011!!! Além de menos dispendioso é menos acintoso também…Também me sinto tremendamente incomodada com essa história de deixar a bolsa. Em museus, exposições, etc. ainda deixo, mas porque ficamos com a chave do guarda volume, sabemos que tem sistema de vídeo e já esvaziei a famigerada e recheada bolsa feminina antes de ir hahaha. Bjs

  3. Eu que nunca furtei em loja, dá vontade de furtar nestas horas, né? Dá para levar um saquinho de condimento sem ninguém perceber, só para sacanear o sistema…. (mas ainda não o fiz)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: