Quanto melhor, mais simples

O passar dos anos está me fazendo chegar a uma conclusão sobre os seres humanos: quanto melhor a pessoa é no que faz, mais simples e acessível ao público será. Poderia dar aqui inúmeros exemplos de gente que nem olha para os lados, não cumprimenta pessoas hierarquicamente inferiores no trabalho e bota banca de ser um super profissional, quando na verdade não passa de um medíocre. Por outro lado, poderia dar também exemplos de gente excepcional no que faz, reconhecida onde passa pela competência e que se em algum momento não se aproxima do povo é porque algum segurança que quer ser mais importante que a personalidade em questão atrapalha.

Infelizmente, os melhores são minoria. Então, temos pouco contato com esses seres. Mas, quando temos a oportunidade, é sempre um deleite. Essa semana aconteceu isso aqui em Moçambique. O presidente do Brasil, Lula da Silva, esteve em visita ao país, como foi possível acompanhar em noticiários daqui, do Brasil e de tantos outros países. Se você tinha ido para um passeio em Marte e não viu, acesse o ElefanteNews para saber como foi.

É tido e sabido que o Lula é um desses casos de gente excepcional no que faz, reconhecido pela competência onde passa. Lembram do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se referindo a ele? O cara… Enfim, mas não é desse cara que vou tratar aqui e sim de um moçambicano muito conhecido no Brasil: Mia Couto. Quem não leu ainda algum livro desse ícone da literatura contemporânea, não pode perder. Mesmo que não goste de ler, tente. Eu garanto que vai ser uma experiência diferente.

Vieram vários jornalistas brasileiros acompanhar a visita de Lula a Moçambique. Lula partiu no começo da tarde de quarta-feira e esses jornalistas fizeram contato com Mia Couto, pedindo uma conversa informal com ele. Amiga de uma das jornalistas presentes, fui convidada para participar. E, claro, não ia perder a oportunidade de estar ao lado de Mia Couto.

Observo que a conversa informal foi 65% tietagem e 35% conversa. Mas “o cara” da literatura merece. Foi muito legal ver a disposição dele em se deslocar até o hotel onde estavam os jornalistas e ficar lá a trocar figurinhas até cansar. Não era entrevista, não era para divulgar seus livros, não havia interesse da parte dele. Foi só receptivo com quem o admira. No final, foto com cada um deles, autógrafos em livros, beijinhos e muitos obrigados. É isso aí, quando o cara é o cara, não precisa fingir que é melhor que ninguém. Ele simplesmente é.

Mia Couto com jornalistas brasileiros no lobby do hotel Polana

Mia Couto com jornalistas brasileiros no lobby do hotel Polana

Conheça mais do autor, vendo o que ele falou para a TV Brasil, em entrevista para o programa Nova África, em junho de 2009.

Leia também entrevista para a Agência Brasil, em setembro de 2010.

Saiba mais sobre a visita de Lula a Maputo, vendo as matérias que Eduardo Castro produziu para agência e TV Brasil:

Lula chegou e já deu entrevista

Lula e a Universidade Aberta

Lula visita Maputo pela terceira vez. A TV Brasil acompanhou

Lula, os empresários e os predadores

Pela última vez como presidente, Lula se despede da África

Lula, Guebuza, TV Brasil na África

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://mosanblog.wordpress.com/2010/11/12/quanto-melhor-mais-simples/trackback/

RSS feed for comments on this post.

4 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] mais especialistas do que eu que a melodia é genuinamente moçambicana. A letra foi escrita pelo Mia Couto. A composição instrumental e os arranjos levam assinatura de Roberto Xitsondzo, Ziqo e Hortêncio […]

  2. Este é o cara mesmo hein? Não é pecado tietar alguém que é excepcional no que faz e que a gente admira! Olha, este é um dos melhores post que você já publicou por aqui: irretocável!!! E não é pela matéria prima (rsss), mas pela leveza, objetividade, pelo prazer com que foi feito, como dá para perceber, e pela SIMPLICIDADE, é claro! PARABÉNS! Bjs

  3. […] Dê uma olhada clicando aqui. […]

  4. Sentaste na mesma mesa que Mia Couto! Desgraçada! A vida é mesmo divertida para quem sabe ver esse lapsos do destino. No 1º Eu Faço Cultura eu comentava com um amigo, em pé no palco com o Nando Reis, que nunca teria pensado sair da Guiné e poder estar no palco com um dos artistas mais conhecidos do Pop/Rock brasileiro. Agora rio-me com este teu encontro com Mia Couto. Ain’t life a funny? 😀
    Beijos


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: