Claro que foi o Mia Couto

No post exatamente anterior a esse, falei sobre o hino nacional de Moçambique. Até o momento que fiz o texto, não tinha encontrado informação sobre o autor ou autores do hino. Agora, bebendo da sabedoria do Eduardo Castro (o mesmo do ElefanteNews e meu marido), fico sabendo que teve mão do Mia Couto na autoria. Não podia ser diferente, o maior escritor do país não ficaria fora dessa.

Em entrevista a Marilene Frelinto, ele explica como foi: “Em 1981, 1982, o presidente Samora, que era vivo na altura, pensou que o hino nacional não funcionava. Era um hino muito partidário. Começava por ‘viva, viva a Frelimo’. E ele tinha já a apreciação de que nem todos os moçambicanos seriam da Frelimo. Então, era preciso um hino que cobrisse os moçambicanos todos. Ele (Samora) colocou seis poetas e seis músicos numa casa, fechou-nos lá e disse ‘vocês têm que sair daqui com várias propostas de hinos feitas’. E fomos fechados numa casa aqui na Matola [cidade próxima de Maputo] e aquilo era ótimo. Aquilo não era uma prisão, era ótimo porque nós tínhamos comida, numa altura em que não havia comida. E, portanto, guardávamos comida para a nossa família quando nos iam visitar; tínhamos uma piscina na casa, vivíamos ali bem. E quando vinham as sirenes, nós corríamos para trabalhar. Eles (a Frelimo) vinham nos visitar para ver como era que estava sendo feito. E produzimos meia dúzia de hinos que ficaram ali e nunca mais foram aprovados. Agora, por causa do novo clima político que a partir de 1995 passou a existir, um clima de democracia aberta e multipartidarismo, passou a ser mesmo obrigatório que este país tivesse um outro hino. Pelo menos uma outra letra. Depois fez-se um concurso aberto e eu fiz parte do júri que acolheu essas propostas, mas eram todas muito fracas. E então alguém se recordou de revisitar aquelas propostas (da época de Samora), e foi uma daquelas que foi escolhida. Então, há razões que ajudam a triar essa idéia de que não é separável a literatura e a militância.”

No site Triplov.org, ele conta a mesma história e ainda confessa que as pequenas desobediências que cometiam eram um “modo de exercermos uma pequena vingança contra essa disciplina de regimento”. Ele observa ainda que as letras criadas ali refletiam a tendência militarizada do momento e ressalta: “Tudo isto tem que ser olhado no seu contexto sem ressentimento. Afinal, foi assim, que nasceu a Pátria Amada, este hino que nos canta como um só povo, unido por um sonho comum.”

foto de Mia Couto, retirada do verbete sobre ele na WikipédiaMia Couto é escritor moçambicano, filho de portugueses que emigraram a Moçambique nos meados do século XX. Além de ser considerado um dos escritores mais importantes de Moçambique, ele é o escritor moçambicano mais traduzido. Também é sócio correspondente da Academia Brasileira de Letras, eleito em 1998. Saiba mais no verbete sobre ele na Wikipédia.

Observação: a história contada acima confirma o que foi comentado no post sobre o hino, de que o anterior era mais um hino da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) do que um hino da nação.

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://mosanblog.wordpress.com/2010/09/09/claro-que-foi-o-mia-couto/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Eu quero ler “O gato e o Escuro” hahaha. Todos os dias que entro no ElefanteNews eu leio: “Ora, viver é cumprir sonhos, esperar notícias.” – Mia Couto
    Genial! Se achei interessante a “escolha” da Quinta Quente, mais interessanta ainda a “história da escolha” do Hino Nacional de Moçambique. Parabéns Sandra!!!

  2. Ahhh, o grande mestre Mia Couto. Quem não leu nada dele tem de corrigir o erro o quanto antes 😉


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: