E por falar em água…

O assunto é o mesmo do texto anterior, a água, mas o foco agora está no seu aspecto. A gente aprende na escola que a água é insípida, inodora e incolor. Aliás, em geral, é quando aprendemos também o significado dessas palavras: que não tem sabor, que não tem cheiro e que não tem cor, respectivamente. Mas na vida a gente aprende que não é bem assim. A água pode até ser potável e não ser tão insípida, inodora e incolor.

Em regiões muito calcárias, por exemplo, ela fica turva e ganha um quase sabor. Não chega a ter gosto, mas é como se ela ficasse mais arenosa. E não adianta filtrar, colocar biocloro, o que for. Não é problema no tratamento da água. É característica dela ser assim.

Isso acontece porque o calcário é uma rocha que lentamente se dissolve na água. Em recifes de coral, o calcário está muito presente. Então, onde tem recifes, tem calcário na água. Aqui na costa de Moçambique, calcula-se que os recifes ocupem uma área de cerca de 1.290 km², equivalente a 320 campos de futebol. Ou seja, está em quase toda parte.

Dessa forma, até as águas minerais daqui têm uma composição diferente, porque o lençol freático todo acaba sendo tomado por resíduos do calcário que se dissolveu na água. Em geral, a primeira reação de quem não está acostumado com essa característica é achar que a água não está bem tratada, não é limpa o suficiente para o consumo. Para ajudar nessa crença, o nosso organismo reage a certas novidades e mudanças de hábitos. Como as células de todo o corpo absorvem a água que ingerimos (até para mandar embora as toxinas), o organismo sente muito uma mudança na composição desse líquido.

Quando chegamos em Moçambique, nas primeiras semanas não tínhamos filtro em casa ainda, então comprávamos água mineral de garrafa. Aqui há água (assim como outros produtos) de diversos países, especialmente Portugal. Mas procuramos sempre utilizar os produtos nacionais e com a água não foi diferente. O corpo sentiu… Mesmo tomando só água engarrafada, o intestino perdeu totalmente a regularidade nas suas funções. Ainda bem que a Dra. Andreia tinha recomendado um repositor da flora intestinal, já prevendo problemas na adaptação.

Mas, passadas as primeiras semanas, o organismo se acostumou e hoje não há nenhuma reação à água daqui. Já não mais engarrafada, mas filtrada.

Calcário na água

Pelo que pesquisei, o calcário presente na água pode trazer mais prejuízos ao bolso do que à saúde. Isso porque ele causa calcificação nas tubulações, resultando em menor duração dos metais e canos sanitários. Nas construções, pode ainda alterar a qualidade das massas e do concreto.

Mas parece que não há qualquer risco à saúde e a água contendo calcário é consdierada potável. Diz-se até que pode ser benéfica à saúde, por constituir um acréscimo de cálcio ao organismo. Aí já não sei se é lenda… mas não existem em vários lugares as tais águas medicinais?

Você pode saber mais sobre os efeitos da água no organismo humano, lendo o que a Dra. Andreia Torres já publicou no blog Dicas da Nutricionista sobre o tema.

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://mosanblog.wordpress.com/2010/08/14/e-por-falar-em-agua/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. Eu teria muitos problemas de adaptação aí com a água porque meu intestino já sabe ser fresco rsss. Aqui no Brasil, de região para região, eu já tenho reações. Imagina em um país com lençóis freáticos de calcário?!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: