Na trilha da cidadania

A notícia da vez por aqui é que mais 200 mil pessoas comemoram em Moçambique o recente acesso a fontes de água segura. No primeiro semestre de 2010 foram construídas 367 dessas fontes. Ainda há previsão de mais 1.400 (entre construções e reabilitações) até o final do ano, de norte a sul do país.

Nos últimos cinco anos, foram construídas cerca de 10 mil fontes de água segura em todo o país. O Programa Quinquenal 2005-2009 previa a construção de 8 mil. Mesmo assim, o abastecimento de água chega a apenas cerca de 60% da população nas zonas urbanas e pouco mais de 50% nas zonas rurais. O projeto do governo agora é aumentar a provisão e o acesso à água potável para 69% da população até 2014.

Ao recorrer a fontes não potáveis de acesso à água, a população fica vulnerável a doenças como diarréia, sarna e cólera. Sofrem especialmente os mais velhos e as crianças. Em lugares nessas condições, o índice de mortalidade infantil é sempre muito alto e a expectativa de vida muito baixa. Nas zonas urbanas, Moçambique sofre ainda o grave problema do não cumprimento por parte dos cidadãos das regras básicas de higiene e limpeza dos tanques domiciliares de armazenamento, as caixas d’água.

Para garantir a sustentabilidade das fontes que está implantando ou reabilitando, o governo moçambicano contratou organizações não governamentais e empresas da área social para acompanhar as atividades. Além disso, foram organizados comitês de água em todos os distritos beneficiados.

Mais uma vez, como quando contei aqui sobre o esforço de Moçambique em levar energia elétrica a todos, no texto intitulado Luz para Moçambique, não há como deixar de comparar com o Brasil. Lembrei, claro, do programa de cisternas que está permitindo que milhares de brasileiros tenham, pela primeira vez em suas vidas, acesso à água durante todo o ano.

Nas minhas andanças pelo Norte e Nordeste do Brasil, especialmente o Piauí, pude ver o quanto essas regiões são castigadas pelo clima. Quando chove, as cidades chegam a alagar, famílias inteiras ficam desalojadas e muitas perdem suas casas e até terrenos para sempre, vítimas de desbarrancamentos. Foi emocionante ver chegar a essas pessoas a construção de cisternas em grande quantidade.

A cisterna é uma tecnologia social para a captação e armazenamento de água da chuva e representa solução de acesso a recursos hídricos para a população durante os meses mais secos, uma vez que permite armazenar de 16 mil a 52 mil litros de água. Mais uma vez sou obrigada a comparar a realidade com a vida boa que sempre tive, nunca tendo passado sede de verdade. Para quem, sempre que sente sede, tem acesso à água em questão de minutos, bastando ir até a cozinha ou entrar em um bar para comprar uma garrafinha do líquido da vida, é quase impossível realizar a abstração de imaginar viver sem esse conforto.

Com o programa Um Milhão de Cisternas, o Brasil aplicou diversas tecnologias sociais que podem ser realizadas aqui em Moçambique, como a cisterna-calçadão, a cisterna de ferrocimento, cisterna adaptada para a roça, entre outras.

Um dos pontos importantes do programa de cisternas brasileiro é que, a exemplo de outros programas, como o Bolsa Família, ele não é apenas de transeferência de bens, inclui ações pedagógicas e de gerenciamento do sistema por cada família beneficiada. Isso é uma lição importante a ser aprendida por Moçambique, para que não tenhamos mais aqui o problema da falta de limpeza dos reservatórios de água por parte de quem já tem acesso a este líquido tão precioso.

Fontes:
O Jornal de Notícias

Portal do Governo de Moçambique

Rede de Tecnologia Social

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://mosanblog.wordpress.com/2010/08/13/na-trilha-da-cidadania/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] quiser saber mais sobre a questão da água em Moçambique, pode visitar textos anteriores, como o Na trilha da cidadania, Sem água e Que chegue logo o […]

  2. Fico pensando que não tem preço a oportunidade que você está tendo de ver o caminhar da cidadania aí na África. Mesmo não tendo tido esta privação, é uma vivência ímpar presenciar esses avanços! Achei acanhado o projeto do governo em aumentar a provisão e o acesso à água potável em somente 9% até 2014 (hoje a zona urbana tem 60%)!!! Mas deve ter suas limitações… Abs
    Lucia Agapito


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: