Joburg, circuito turístico

Passamos dois dias em Joanesburgo, carinhosamente chamada aqui de Joburg. Apesar de ser uma cidade sem graça, como São Paulo, tem muito o que fazer e poderíamos ficar muito mais dias lá, como São Paulo. Parece até contraditório, mas é assim mesmo. Não é uma cidade de belezas naturais, predominância de prédios históricos ou arquitetura especial. Mas é um importante centro econômico e as coisas sempre acontecem nesses lugares…

Então, vou dividir a cidade em turístitica, histórica e esportiva, para organizar os posts. Para se ter uma idéia da dimensão de Joburg, vamos começar pela visita ao prédio mais alto da África, o Carlton Centre, onde um terraço no alto do prédio oferece vista panorâmica do 50° andar, a 223 metros de altura.

Entrando na ponte Nelson MandelaComo se percebe, o prédio fica bem no meio da cidade. Para chegar nele, passamos pela famosa ponte Nelson Mandela, inaugurada em 2003, e que liga duas importantes áreas de negócios da cidade: Braamfontein e Newtown. A ponte tem 284 metros de comprimento e é estaiada (suspensa por cabos) tipo leque. A estrutura foi nomeada Nelson Mandela em reconhecimento pelo papel dele na unificação da sociedade sul-africana.

Para compras, um shopping diferente. A Mandela Square é uma praça, cercada de edifícios comerciais que são interligados no subterrâneo por lojas, lojas e mais lojas. No térreo (ou rés do chão), ficam principalmente restaurantes e cafés. Fica no bairro Sandton e no centro da praça tem uma grande estátua de Nelson Mandela.

À noite, jantar em um cassino. Escolhemos o Montecasino. Como acontece, em geral, nos cassinos, a decoração é temática. O tema desse é a Itália. Então, tudo reproduz um vilarejo italiano. Os restaurantes e lojas começam a fechar cedo, por volta das 21h30. Mas a parte de jogo a dinheiro funciona 24 horas. Jogamos um pouco, pela diversão. Mas já não é mais tão divertido como antes.

O legal de ir a um cassino era jogar naquelas máquinas que derrubavam um monte de moedas quando você ganhava alguma coisa, mesmo que fossem centavos e que todas juntas não dessem muito dinheiro. Mas o som das moedas e a brincadeira de andar com potes cheios delas era a graça. Hoje, tudo tomado pela tecnologia, o dinheiro vem marcado num código de barras e o barulho das moedas caindo existe apenas pela nostalgia e é reproduzido eletronicamente (tipo máquina fotográfica digital que faz o som do disparo da foto). Perdeu o glamour. Empatamos os R20 (vinte rands) que jogamos e fomos embora. Acho que o Guilherme se divertiu mais, porque ficou na área de jogos eletrônicos.

Geral do Montecasino

Para fechar um passeio na África, nada melhor do que uma visita aos leões. Lion Park. É um parque para safari e, apesar do leão no nome, girafas, avestruzes, zebras, gepardos, cachorros do mato e outros animais nativos estão por lá. Para receber os visitantes, as girafas ficam soltas. E fazem logo amizade. Tem a opção de comprar ração para dar a elas. Nós nem precisamos. Essa se aproximou sem levar nada em troca.

Girafa encara Guilherme e Eduardo

No começo do passeio, há duas áreas cercadas onde ficam leões ainda pequenos. Os bebês podem receber visitas. Grupos de cinco pessoas entram na área e podem brincar com os bichos, que mais parecem grandes gatos.

Eduardo acaricia um leãozinho

Os que já são maiores não podem interagir. Mas são tão lindos quanto os pequenos.

leões na cerca

E os grandes de verdade, adultos e ferozes, ficam nos acampamentos. Assim como alguns filhotes, que ainda precisam da presença da mãe. Nessas áreas entramos de carro, com todas as janelas obrigatoriamente fechadas e passamos perto, bem perto mesmo das feras. Leões, cachorros do mato, guepardos… é emocionante. Foi aí que vimos uma zebra dar uma rasteira numa avestruz, que ficou com as pernas para cima, feito barata que levou uma chinelada. Ela demorou alguns minutos para se recompor, coitada. Quando conseguiu, a zebra ainda correu atrás dela. Depois desistiu, mas saiu olhando para trás, mantendo a ave na mira. Vai saber o que a avestruz falou para a zebra, que ficou assim tão brava.

Leões brincando

Guepardo passa no meio dos carros

Leão albino

Zebras e avestruzes no Lion Park

Nesta parte, há várias áreas cercadas, nas quais entram alguns carros de cada vez. Numa delas, na hora de sairmos, tivemos que esperar a movimentação dos leões que estavam a espreitar a vida lá fora, bem no portão…

Leões ficam no portão e impedem carro de sair

Bem, esse foi nosso primeiro Joburg turístico. Ainda tem muito mais para ver, como a South African Breweries (SAB), uma das maiores cervejarias do mundo em termos de volume produzido (120 milhões de barris por ano), o parque de diversões Gold Reef City, que recria o período em que Joanesburgo era um grande campo de mineração, o MuseuMAfricA e muito mais. Se voltarmos lá, publico aqui. Senão, ficam as dicas para os leitores que forem a Joburg com mais tempo descobrirem como são essas atrações.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 185 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: